Eu tenho uma confissão a fazer: sou obcecado por marcianos. Desde pequeno, sempre fui fascinado pelo espaço e pelas possibilidades de vida fora da Terra. Mas foi só quando assisti ao filme Sinais, do diretor M. Night Shyamalan, que meu amor por marcianos atingiu um nível completamente diferente.

No filme, uma família tem que lutar contra uma invasão alienígena em sua fazenda isolada. E embora o filme seja conhecido por suas cenas assustadoras e tensas, o que realmente me cativou foi a história do personagem principal, Graham Hess, interpretado por Mel Gibson. Depois de perder sua esposa em um trágico acidente de carro, Graham luta para manter sua fé e encontrar um propósito em sua vida. É só quando ele percebe a conexão entre os padrões distintos dos fenômenos alienígenas e a mensagem que sua esposa lhe deixou antes de morrer que ele encontra paz e amor novamente.

Mas o que isso tem a ver com marcianos? Bem, no filme, os alienígenas são retratados como seres altamente evoluídos e inteligentes. Eles não falam, mas parecem entender a linguagem humana. Eles são imprevisíveis e assustadores, mas também fazem parte de algo muito maior que nós. E eu simplesmente me apaixonei por essa ideia. Eu comecei a ler tudo o que podia sobre marcianos e sobre vida extraterrestre em geral. Eu assisti a todos os filmes de ficção científica que consegui encontrar e assisti a todos os episódios de Arquivo X e Jornada nas Estrelas.

Mas o meu amor por marcianos não parou por aí. Quando comecei a trabalhar como designer gráfico, comecei a incorporar imagens de marcianos em meu trabalho. Eu criei logos para empresas fictícias que não existiam, e incluí copos e camisetas com marcianos neles. Quando meus amigos me perguntavam por que eu era obcecado com marcianos, eu sempre respondia com um sorriso. Eu apenas os amava.

Mas a minha obsessão não parou lá. Quando finalmente comprei minha casa, a primeira decoração que coloquei nela foi uma pintura de um marciano em minha sala de estar. Eu adoro olhar para ele todos os dias e sinto como se ele me desse sorte. E sempre que meus amigos vêm me visitar, eu faço questão de mostrar a eles o meu marciano favorito.

Claro, algumas pessoas acham estranho meu amor por marcianos, mas eu nunca me importei com isso. Na verdade, eu acredito que essa obsessão me ajudou a me tornar uma pessoa mais criativa e imaginativa. Quando estou preso em um projeto difícil no trabalho, eu apenas fecho os olhos e penso em marcianos. E, de alguma forma, isso sempre me ajuda.

Além disso, eu gosto de pensar que, se for realmente possível haver vida em outros planetas, e se um dia encontrarmos seres alienígenas, talvez eles sejam como os marcianos nos filmes. Talvez eles possam nos ensinar a ver as coisas de uma perspectiva diferente, e nos ajudar a entender mais sobre o universo e nossa existência nele.

Então, para mim, meu amor por marcianos é muito mais do que uma simples obsessão. É uma fonte constante de inspiração e felicidade. E eu não poderia estar mais grato por ter descoberto meu marciano favorito.