HOpVest #8 – O que é Mercantilismo?

Introdução:

Mercantilismo é muitas vezes caracterizado como uma etapa do desenvolvimento capitalista, ou seja, é o primeiro momento de consolidação da formação do sistema econômico que conhecemos como capitalismo.

Contudo, a ideia de que mercantilismo é apenas uma fase de outro sistema, acaba por simplificar relações mais complexas do funcionamento das relações mercantis. Sendo assim, vamos definir características bem particulares desse sistema que tem aspectos próprios e sua historicidade particular.

Alonso Sanches Coelho – Porto de Sevilla

A tradição de pensamento mercantilista

Para melhor entender alguns dos traços marcantes dessa prática econômica, precisamos entender que não houve uma escola econômica chamada mercantilismo, o termo na verdade nasce cerca de dois séculos depois do seu ápice. Novamente, dentro daquela negação das práticas do que ficou como absolutismo.

Aqui já nos é apresentada uma questão interessante: o mercantilismo foi a prática econômica dos Estados Nacionais, que podemos compreender entre o início do século XV e o final do século XVIII. Entre as nações que executaram o mercantilismo mais acentuado devemos destacar Portugal, Espanha, França, Holanda e Inglaterra.

Contudo, era muito comum entre os economistas daqueles séculos, escrever sobre o funcionamento de suas respectivas economias nacionais, descrevê-las e entender o melhor funcionamento, visando otimizar os lucros através do comércio internacional. Para atingir esse fim, admitimos um conjunto de práticas comuns, em maior ou menor escala (variando nação para nação) de procedimentos para alcançar a acumulação de riquezas.

Vamos conhecer alguns desses aspectos!

Aspectos gerais do mercantilismo

Metalismo

O metalismo, ou bulionismo, era a ideia de que a acumulação de metais preciosos era o caminho mais adequado para o enriquecimento da nação. Isso justificava a busca por, principalmente, Ouro e Prata, mas além desses itens, também outros metais e pedras preciosas como diamantes e esmeraldas.

Um jogo de soma zero

Na economia e na teoria dos jogos, um jogo de soma zero é uma condição em que para alguém ganhar, o seu adversário tem, necessariamente, que perder. Ou seja, não existe troca justa. Nessa condição, toda e qualquer lógica de trocas mútuas, que visassem o bem para ambos os lados, não passava de uma grande ilusão. Na economia mercantilista a prevalência dessa ideia criou um quadro de disputa sem precedentes entre as nações.

Balança comercial favorável

A balança comercial é a relação entre o quanto se compra (importação) e o quanto se vende (exportação). A situação em que a balança comercial está favorável, significa que o volume de exportação é maior que o volume de importações, ou seja, aquela nação escoa mais produtos do que demanda.

Protecionismo

A prática de cobrar impostos sobre produtos não é uma invenção, mas sim uma herança. Um dos fatores que levou a desintegração do sistema feudal, foi precisamente a pressão de uma nova classe social ligada ao comércio (a burguesia) para reduzir a quantidade de impostos sobre seus produtos. Na idade Média, cada reino estabelecia sua própria forma de cobrança de impostos, porém, a burguesia era uma classe social que vivia do comércio, então, cada vez que saia de um feudo e ia estabelecer suas relações comerciais em outro, novas tributações, com taxas diferentes incidia sobre o preço final de seus produtos, o que consequentemente diminuía seus lucros.

Precisamente por isso, a ideia de uma unificação desses feudos, criando uma unidade administrativa maior, com menos fronteiras e por conseguinte menos impostos (o Estado), era muito bem vista por essa classe social, pois, favorecia os negócios burgueses. As relações ainda eram muito locais, mas com o passar do tempo, essa classe de comerciantes passou a viajar por longos caminhos e o imposto (ainda que nacional) volta a ser uma discussão profunda.

Esse imposto, essa barreira artificial para o comércio, quando criado para dificultar a entrada de produtos estrangeiros, logo, manter equilíbrio da na balança comercial, é chamado de protecionismo, é um imposto para proteção do mercado nacional.

Colonização

Colonização é um sistema econômico por si só. Não é uma condição do mercantilismo apenas, mas para o mercantilismo a colonização foi um dos seus pilares de sustentação, pois, era através da exploração colonial que voluptuosos lucros eram obtidos. Em outro momento vamos tratar especificamente sobre a Colonização.

Conclusão

Esses aspectos aqui levantados não são homogêneos (ou seja, não aconteceram da mesma forma no tempo e no espaço), tão pouco são a totalidade das características do mercantilismo. O que temos aqui são as ferramentas mínimas para compreender a lógica econômica da Europa Moderna.

A partir disso, e em conjunto com outros aspectos culturais, políticos e sociais, teremos o desenvolvimento de um modelo de sociedade que vai dar as bases do Ocidente a partir do século XV. Outros fatores como as Reformas Religiosas, as práticas políticas da nobreza e o crescimento econômico da burguesia são reflexos e causas do mercantilismo. O desenvolvimento mercantil não foi teorizado e aplicado, mas sim, revela-se como um conjunto de experiências vividas na Europa Pré-Moderna e Moderna, e que entra em crise nos séculos posteriores. 

1.

(FGV) O mercantilismo correspondeu a:

 
 
 
 
 

2.

(UFV) Mercantilismo é um termo que foi criado pelos economistas alemães da segunda metade do século XIX para denominar o conjunto de práticas econômicas dos Estados europeus nos séculos XVI e XVII. Das alternativas abaixo, assinale aquela que NÃO indica uma característica do mercantilismo.

 
 
 
 
 

3. (UFRS) Considere as seguintes afirmações a respeito do mercantilismo:

I – Por mercantilismo entende-se um conjunto de ideias e práticas econômicas adotadas pelo Estado Absolutista.

II – O estímulo à expansão marítima e colonial e o estabelecimento de monopólios caracterizam as políticas mercantilistas.

III – Portugal, Espanha, França, Holanda e Inglaterra são países nos quais a política mercantilista alcançou grande desenvolvimento.

Quais estão corretas?

 
 
 
 
 

4.

(UNIMONTES MG/2015)

O mercantilismo pode ser considerado um conjunto de ideias e práticas econômicas que predominaram na política da maior parte dos Estados Nacionais europeus, entre os séculos XV e XVIII. NÃO é característica do mercantilismo:

 
 
 
 

5.

(FMABC SP/2017)

“Parece lícito afirmar que os dois pontos cruciais do mercantilismo, na teoria e na prática, foram a sua teoria monetária e a sua teoria da balança comercial.”

Francisco Falcon. Mercantilismo e transição. São Paulo:
Brasiliense, 1986, p. 95. Adaptado.

Os “dois pontos cruciais” citados no texto podem ser associados, respectivamente,

 
 
 
 

6.

(UFAL/2014)

Mercantilismo é a prática econômica típica da Idade Moderna e é marcado, sobretudo, pela intervenção do Estado na economia. Durante aproximadamente três séculos foi a prática econômica principal adotada pelos países europeus, o que só seria quebrado com o questionamento sobre a interferência do Estado na economia e o consequente advento das ideias liberais.

Disponível em: http://www.infoescola.com/. Acesso em: 9 dez. 2013.

A primeira característica do mercantilismo era o metalismo, ou seja, a concepção de que a prosperidade de cada país

 
 
 
 
 

7.

(FATEC SP/2012)

O Mercantilismo pode ser definido como um conjunto de práticas e doutrinas econômicas adotadas pelo Estado absolutista, na Idade Moderna, com o objetivo de obter e acumular riqueza. Partindo do princípio de que a riqueza de uma nação era determinada pela quantidade de metais preciosos mantidos dentro de seu território, os estados absolutos desse período

 
 
 
 
 

8.

(Famerp SP/2015)

Entre as principais características do mercantilismo, podemos citar

 
 
 
 
 

9.

(UFAL/2013)

Sobre mercantilismo e processo de colonização do Brasil, leia os fragmentos abaixo.

Fragmento 1

“O monopólio do comércio das colônias pela metrópole define o sistema colonial porque é através dele que as colônias preenchem a sua função histórica, isto é, respondem aos estímulos que lhes deram origem, que formam a sua razão de ser, enfim, que lhes dão sentido. […] o sistema colonial promovia, ao mesmo tempo acumulação de capitais, por parte dos grupos empresariais, e expansão dos mercados consumidores dos produtos manufaturados. […] É nesse contexto que se torna possível compreender o modo como se organizaram nas colônias as atividades produtivas […].”

(NOVAIS, Fernando A. O Brasil nos quadros do antigo sistema colonial)

Fragmento 2

“[…] a colonização dos trópicos toma o aspecto de uma vasta empresa comercial, mais completa que a antiga feitoria, mas sempre com o mesmo caráter que ela, destinada a explorar os recursos naturais de um território virgem em proveito do comércio europeu. É este o verdadeiro sentido da colonização tropical, de que o Brasil é uma das resultantes […].”

(PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo)

Analisando os fragmentos acima, é correto afirmar:

 
 
 
 
 

10.

(Fac. Cultura Inglesa SP/2014)

O Mercantilismo não era um sistema em nosso sentido da palavra, mas antes um número de teorias econômicas aplicadas num esforço para conseguir riqueza e poder.

(Leo Huberman. História da riqueza do homem, 1983. Adaptado.)

Na prática econômica conhecida como Mercantilismo, a atuação do Estado

 
 
 
 
 

11.

(UNIFICADO RJ/2012)

O mercantilismo não é uma política econômica que vise ao bem-estar social, como se diria hoje; visa ao desenvolvimento nacional como um todo. Toda forma de estímulo é legitimada. A intervenção do Estado deve criar todas as condições de lucratividade para as empresas poderem exportar excedentes ao máximo.

NOVAIS, F. Portugal e Brasil na crise do antigo
sistema colonial (1777-1808)
. São Paulo: Hucitec, 1979. p. 61.

Com base no texto, um dos princípios fundamentais do mercantilismo é a

 
 
 
 
 

12.

(UFT TO/2014)

“O Mercantilismo resulta numa exaltação do espírito de empresa e trabalho criador. Realiza assim, em relação aos ideais pregados pela cultura medieval, uma verdadeira subversão das hierarquias e dos valores. É levado a lutar contra os preconceitos nobiliários, a ociosidade, o gosto da função pública, mantido pela venalidade e hereditariedade dos ofícios”.

FONTE: DEYON, Pierre. O Mercantilismo.
SP: Perspectiva, 1992, p. 54.

O Mercantilismo tinha como princípio básico:

 
 
 
 
 

Questão 1 de 12